O Superaquecimento do mercado imobiliário do Recife

É público e notório o crescimento do mercado imobiliário do Recife. Conforme estudo realizado por mim, fundamentado em dados do cadastro do ITBI da Prefeitura da Cidade do Recife, entre 2003 e 2010 o preço médio dos imóveis na cidade cresceu em cerca de 165% ao passo que o IGPM cresceu cerca de 59% no mesmo período de análise. Ou seja, os investimentos imobiliários apresentaram crescimento superior à inflação do período. A diferença entre o crescimento deste investimento, em geral utilizado como aplicação de Hedge, passou a atrair outros tipos de capital, dinamizando o mercado e, ao mesmo tempo elevando de forma significativa as vendas de imóveis na cidade. Se considerarmos que o mercado local apresentava relativa estagnação durante quase toda a década de 1990, diminuindo de forma significativa os estoques existentes, é de se imaginar que um aumento rápido e elevado na demanda puxasse os preços dos imóveis para cima (ver a figura 1, sobre o aumento das vendas, e a figura 2, sobre o aumento da oferta).

figura 1

figura 2

Percebe-se que as vendas não sentiram o impacto da crise imobiliária americana de 2008, enquanto a oferta sofreu uma leve retração nesse mesmo período. Isso pode estar relacionado ao fato das empresas terem ficado céticas quanto aos efeitos das políticas de injeção de capital realizada pelo Governo, como forma de fortalecimento do mercado interno, e que, no entanto apresentaram resultados significativos na demanda, que se manteve em processo de crescimento.
Como o produto imobiliário leva um tempo maior para sua implantação e disponibilização para venda, esse desequilíbrio entre oferta e demanda vem levando um tempo significativo para que se chegue a um novo ponto de equilíbrio. Assim, a tendência ainda é de alta, embora o mercado apresente sinais de que está chegando ao ponto de máximo dos preços. Isso implica em um certo cuidado na escolha dos tipos de imóveis que devem ser comprados para investimento. Por enquanto uma parte significativa desse aumento de demanda está relacionado à implantação de empreendimentos no Complexo Industrial de Suape-PE e pelas obras da Copa de 2014. Todavia, a partir de 2014, quando a maioria desses empreendimentos estiverem implantados a demanda tende a estabilizar. Só a partir desse momento poderemos quantificar o montante de especulação que compõe a atual composição dos preços dos imóveis. Moral da história: ainda vale a pena investir no mercado imobiliário, mas há que se tomar cuidado com os preços, principalmente de imóveis novos, pois a expectativa de crescimento não é tão alta, no longo prazo.
Boa Sorte!

Esta entrada foi publicada em Colunas Semanais, MERCADO IMOBILIÁRIO - Índices (Fernando Pontual). Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>